As veracidades da existência 

Há momentos em que me torno uma pessoa malvada 

Somente esbravejo e praguejo quem mais me ama 

Logo me encontro na mais ardente chama 

E estes olhos derramam lagoas salgadas 

Analiso minha conduta e percebo como a loucura machuca quem dela desfruta… 

Simples reflexões geram tenebrosas decepções 

Desculpas já não podem remediar odiosas ações 

Por que existir para injetar maiores sofrimentos? 

Apenas afasto quem aprecio com inevitáveis ressentimentos… 

Se nada pode fazer pois está vazio por dentro, agora este ser simplesmente assiste aos tormentos provocados por seus desprezados sentimentos. 

Senhorita Reprimida, Brasília (DF)