Escritos do público – A PALAVRA NO AGORA

Ferramentas para ritualizar, expressar e comunicar a dor para o alento

Exibindo: 1 - 10 de 150 RESULTADOS
Escritos do público

Tere Tavares

A liberdade. Como gostaria de respirá-la nesse violino recluso. Um novo despertar se faz necessário. O silêncio sobrevoa as árvores e se planta, pacificamente, nos cômodos da casa. Parece não haver nada para sustentar a geografia humana tão fragilizada nesses tempos doentios. Dentro de tudo sustenta-se um futuro sombrio e oco. Qual o momento? Qual …

Escritos do público

Tere Tavares

As janelas. Ainda nos sobram as janelas para abrandar a dor das incertezas. Das máscaras que sobram e faltam nas ruas. Não atinamos onde o perigo é maior, em que partícula do ar se esconde a atrocidade que poderá nos tirar o fôlego, a vida. Estamos retidos e retintos de nós mesmos. Já se passaram …

Escritos do público

Ellen Queiroga

Como você tem se sentido com o que está acontecendo agora?  A flor da pele. Tudo é intenso, e ao mesmo tempo fico apática, sem esperança ou ânimo. Sinto saudades da vida passada, mesmo não tendo sido plenamente feliz nela. Talvez essa fase seja um momento para valorizar o que eu não via?   Que palavras …

Escritos do público

Maci Nogueira

Diário de uma Pandemia – “Nós, os velhos” Motivada pela necessidade, foi que tomei a iniciativa de escrever  como lido com o  “isolamento social”, consequência da pandemia na qual vivemos. Necessidade de quê? Não de aprovação ou adesão, mas de desabafo, de dizer: – “mundo, você achou mesmo que eu não ia me encher?”. Na …

Escritos do público

Cidinha Donaire De Mello Oliveira

Nos Dias de Quarentena! Que não nos falte a esperançaE nem a temperançaNesses dias que vivemos.Mantendo boa sintonia,Sempre, todos os diasCertos de que venceremos! Nada de pessimismo,Ou chegar ao extremismoDe cair em depressão!Tudo vai se acalmar,Tudo há de passarDeus nos dará proteção! E o Brasil será poupadoPorque estamos escudadosCom a fé de brasileiros!O Corona não …

Escritos do público

Cidinha Donaire De Mello Oliveira

Reclusão na Pandemia Em nossas casas fechados,Sentimo-nos resguardadosDo vírus que assola o mundo,Mas nunca dos pensamentos,Verdadeiros tormentos,Cujo mal é mais profundo! Orar e vigiar, disse Jesus,Que, assim, a gente reduzMuitas das tentaçõesQue empobrecem a alma,Tirando toda a calmaDe muitos corações. Assim, caros amigos,Não pensem que é castigoO que está acontecendo.Deus só quer renovação,Um bondoso coraçãoE …